Por doze dias de uma vida inteira.

Por doze dias de uma vida inteira.

O amor faz escolhas lindas e ainda é a mais extraordinária maneira de se mostrar a importância do outro! Tudo passará, mas ele ficará para sempre!

O amor é a única coisa que devemos ao nosso próximo e, se acrescentado com nossa essência cheia de gratidão, se torna imbatível!! Quando o alinhamos à amizade adquirimos muito mais vida! Surpreendentes são as amizades de longa data que nos aformoseiam a face e rejuvenescem o nosso espírito, dando à nossa alma um quê de jovialidade!  Eu tenho amores assim que me trazem lembranças de um tempo que não pode retornar… ao lado delas e em nossas memórias estão lembranças que nos fazem esboçar belos sorrisos e que deflagam deliciosas gargalhadas ou nos põem nos olhos um saltar de lágrimas, por aquilo que desejaríamos apagar…

Por doze dias recebi minhas amigas de uma vida inteira, em Portugal! Elas trouxeram, para esta aventura uma amizade querida de muitos anos. A grata surpresa é que ganhei de quebra, em meio à alegria, uma nova amiga que, na convivência me pareceu ter estado entre nós, por todo o tempo!
Estivemos as quatro, por oito dias na minha querida Leiria e por quatro, em Lisboa! Eu as transportei como motorista, através de histórias de sagas de amor e intrigas desse país! Em nosso romantismo incorrigível adentramos a história da nação, enquanto fatos e mitos nos eram relatados por moradores e motoristas de “úberes” entre ruelas, vielas e castelos centenários! Visitamos muitas cidades e, nelas, fomos princesas e plebeias! Aproveitamos as oportunidades surgidas à nossa frente e, em casa ou dentro do hotel pudemos, também,  colocar fim à saudade de oito meses de minha ausência…

Nosso último passeio aconteceu de maneira feliz, entre lombos de bacalhau e pastéis de nata, no famoso bairro de Belém!

Foi um tempo precioso que passamos juntinhas, entre encontros e desencontros de lugares (risos) e opiniões! Isto demonstra a nossa resiliência! Conservamos, através dos tempos uma cumplicidade que nada e nem ninguém conseguiu retirar, porque “o exterior nos atraiu, mas foi o interior que nos conquistou”! Somos um exemplo lindo para os nossos filhos; tomara que eles possam ter na vida amigos que se importem, como nós! Eu acredito que o dar a volta, em nossos temperamentos e rompantes reconhecendo e ajustando-os cuidadosamente, foi a tônica da plenitude de Deus que nos envolveu nestes dias e que permanecerá, enquanto vida tivermos!

* Para Elizabeth Rocha de Paula, Nanci Paiva de Paula e Glicéria Rodrigues, companheiras de viagem e aventuras.

Regina.

Leiria, 02 de setembro de 2019.

This post has already been read 755 times!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *