Questões de foro.

Questões de foro.

Somos julgadores. Assim somos você, eu, uma multidão!  Julgamos quando determinamos que o assunto a processar diz respeito à nossa consciência! Julgamos tudo aquilo que consideramos como certo ou errado, na nossa perspectiva. Alguns julgam interiormente, mas muitos demostram o que deveriam apenas pensar ! Neste quesito, se tornam aos olhos do outro, especialistas naquilo que precisava ser observado, neles mesmos… A prerrogativa é deles! Deveriam mostrar ao outro que ele também falha, muitas vezes em questões bem  maiores. Você conhece alguém assim? Eu, em minha jornada de aconselhamento, conheço vários e sei que isto gera um mal estar enorme, um abismo imensurável nas relações.

Determinei para mim que minhas observações e julgamento não devem alcançar o outro, a não ser quando pedido. Por profissão, o senso de análise foi um instrumento de trabalho imprescindível e, treinada nele, a cada dia desejo silenciar o que analiso. Dificilmente erro no julgamento que faço e, por esta razão, como treino elejo alguém para manifestar o que sinto, porque discernimento é algo que não podemos desprezar. No futuro terei quem me mostre que a análise feita estava correta ou não… Por uma questão de paz, optei por silenciar o que aprendi!  As pessoas não estão preparadas para ouvirem determinadas verdades e nem gostam!

Foro íntimo é a palavra, para não nos desgastarmos na vida e nas vivências. Saber mesclar as possibilidades é assertivo. Somente assim não incorreremos nos erros. Perceba no íntimo, silencie o pensado e viva em harmonia, com todos aqueles que se acham prontos, para julgar devida ou indevidamente!

Regina.

Leiria, 12 de março de 2019.

This post has already been read 651 times!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *