Para sempre, num coração agradecido…

Existem pessoas que mantêm o espírito jovem e o desejo de se entregarem. Tornam-se especiais nos relacionamentos, pela facilidade que têm de criar vínculos, no interpessoal.
Possuem caráter e personalidade marcantes e se esmeram na distribuição de seus dons, criando laços de amor indestrutíveis! Os anos, as vivências, as duras investidas do tempo e trabalho não lhes rouba a alegria de um encontro. No convívio  demonstram a deliciosa sensação de partilharem o que têm, com idades afins!

Conheço algumas pessoas que se tornam grandes, para sempre, no meu coração agradecido.
Quero falar com carinho e sinceridade destes raros exemplares existentes entre nós, porque merecem crédito, relevância, anotações, para que sirvam como memórias vivas na arte de bem conviver!

Hoje é meu desejo quase que urgente de falar sobre alguém que, em especial, me quis. Ela foi um modelo lindo, para a minha recém-chegada adolescência tão cheia de borbulhante hormônios e sede de viver! E,  inexperiente que era  para as coisas concernentes ao mundo dos adultos, ela foi  para mim,  como uma luz a indicar caminhos!
Entre nós havia um tratamento diferenciado e o sentimento delicado de uma se importar com a outra; ela mais por mim, do que eu por ela em razão de minha pouca idade.
Aprendi com ela  sobre a vida em seus silêncios, suas repreensões amorosas com os filhos, suas lindas e sonoras gargalhadas que tanto bem me faziam e que jamais se apagarão de minha memória! E, ali, em sua casa, éramos felizes – do meu primeiro dia de férias, até o derradeiro!  O que havia entre nós, era inigualável – éramos mais que cunhadas; ela era minha mãe, eu era sua filha mais velha. Ela foi, é, será, para sempre, minha amiga querida! Apesar da nossa diferença de idade éramos, ambas, cheias de sonhos! Entre eles, o dela era de perpetuar o seu eterno amor; os meu de buscar e encontrar o meu!  Com  muitos outros sonhos e planos  nos perdíamos neles, ali, bem naquela varanda enorme e cheia de vasos suspensos ou não, de sua adorável e acolhedora casa!

Vi alguns de seus últimos filhos nascerem, pois os tem, em número de oito! Eu a assistia na educação que dava a eles de forma maravilhosa! Ela os criava  para que se desenvolvessem, com integridade! Fazia isso tão bem que , no futuro, ela foi o referencial que busquei, para copiar!

Ela esteve ao meu lado quando fui buscar na maternidade,  a minha primeira filhinha e foi  também, ela, a me despertar de meu cansaço, para me contar que um de meus sonhos se tornara realidade. “Regina, acorde! Seu bebezinho é ruivo e tem também os olhos azuis, como você queria. Levante-se daí e vamos lá vê-la.”   Me fez descobrir, entre outras coisas, qual daqueles pacotinhos do berçário era o meu  maravilhoso presente! Deus o enviou naquele trinta e um de janeiro de mil novecentos e setenta e seis!!!

O tempo, a vida, meus muitos afazeres, a minha má escolha no casamento, a minha dor advinda do mesmo me fizeram desejar calar e omitir dela o que me fazia sofrer e, assim, me distanciei, para que ela não percebesse ou soubesse que alguns do sonhos que sonhamos, para mim tinham uma conotação lamentável! Mesmo assim, ela continua participante do que me é caro e feliz, nesta vida vitoriosa que alcancei e sei,  ela  também!

O que me preenche, em relação à minha amada é o mesmo amor antigo de minha adolescência quando ela me acolhia com uma ida ao mercadinho da “Avenida Amazonas” em Betim, para comprar e depois  fazer para mim, abóbora com quiabo.

O mesmo companheirismo retorna quando me lembro ou falo nela, porque gratidão faz parte de minha essência e, assim sendo, não há como não relembrar um passado, onde a dor não tinha lugar para mim!!!

Eu a amo com um terno e eterno amor que tem a leveza de boas recordações e a guardarei, para sempre entre risos e memórias de muita doação e nossas muitas brincadeiras!

Na orações que cumulam a minha vida de bênçãos, eu a incluo e lhe desejo  vida em abundância, com a boa mão do nosso Deus sobre ela, para que  Ele continue a cobri-la, extravagantemente, com amor, carinho e a Sua paz que excede a todo entendimento! Que Ele  a mantenha bem aquecida, debaixo de Suas Potentes Asas e prolongue seus dias sobre esta Terra!  Preciosa é e seu valor excede em muito, para mim!
O meu coração segue feliz e grato pelas boas lembranças, deste meu excepcional paradigma  de vida!

Regina.

Belo Horizonte, 21 de junho de 2008.

This post has already been read 80 times!