Afetos próximos.

Aprendemos desde muito cedo a discernir, interiormente, uma disposição para afetar pessoas ou algo, em nossas vidas! Afetar tem uma conotação, muitas vezes, com sentido pejorativo… No entanto, afetar vem da palavra “afeto” que tanto bem nos faz e nos define, emocionalmente! É a forma carinhosa e explícita de expressar o nosso carinho, através de gestos ou ações. Pode ser traduzido, segundo o dicionário, como amor, apego, simpatia, ternura, estima, carinho, admiração, dedicação.  É a oportunidade e a capacidade de se experimentar todo um conjunto de sensações. E isto é muito bom, sendo sentimental!

Afeição é, sobretudo e primeiramente, amor, naquela sensação maravilhosa que permanece em nós mesmo quando não estamos juntos, pois a simples lembrança de alguém ou algo faz brotar um sorriso em nossos lábios! Desenvolvemos ao longo da vida muita afetividade e ela nos move, para uma atmosfera de bem estar.

Alguns afetos superficiais são criados e se distanciam, pois as pessoas envolvidas entendem que por não estarem no convívio diário uma  barreira acontece e, então, preferem criar novos laços . Isto pode acontecer até, entre familiares; quando percebem, estão tão distantes que nada mais traz proximidade… Muitos afetos podem, também,  se tornar desafeto e o que acompanha os que vivem a situação são sentimentos menores, causados por maldade, indiferença e rompimentos! Há, porém, uma classe de pessoas em que o afeto se prolonga, enfrentando as distâncias físicas, adversos e tempestades; a isto gosto de chamar de próximo! Os afetos próximos envolvem pessoas que estão conosco independente de qualquer coisa; nos aceitam como somos, têm prazer na nossa companhia, não nos trocam, por nada e nem nenhum evento!

A vida tem me ensinada que, amor, sempre e por todos! No entanto, me ensinou, também, que os afetos que devemos cultivar são os próximos não importando, se na família, no grupo de trabalho ou nas amizades. Afetividade deve ser o que nos moverá sempre! Saber discernir isto, nos impedirá de ter muitas decepções e tristezas.

Cultive e se importe, com as pessoas; É triste demais quando percebemos que o tempo que  investimos no outro, não foi valorizado e nem tinha profundidade…

Belo Horizonte, 10 de novembro de 2017.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

This post has already been read 162 times!

Regina Celi

Regina Celi

Regina Celi de Santana é educadora, com especialização na área de Educação infantil, com mais de 40 anos de experiência. Autodidata, mãe de três filhos e vovó orgulhosa de seus quatro netinhos: Gabriel, Kauã, Mateus e Joy!! Após se aposentar se tornou uma culinarista e é proprietária da "Cia Sabor e Arte", em Belo Horizonte, capital das Minas Gerais.

More Posts

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *