Cativeiro ou prisão?…

Por muito tempo deixei de sonhar…

Por muito tempo deixei de viver!

Por muito tempo corri atrás do vento…

Não o Vento do Espírito ou vento, elemento da natureza;

Os dois ventos que tanto amo!

Agora, só vejo o que é meu.

Entendo,  sobretudo, sobre tudo o que é meu!

Sinto a vida, com tudo o que ela me deu

E que é só meu!

Por muito tempo estive presa em minha prisão

E descobri que não havia

Quem me tivesse trancado lá!

De repente, as portas de minha vida se abriram

E me vi livre!

Voltei a sonhar…

Voltei a viver!

Senti o vento, que tanto amo, em mim.

Senti o Vento do Espírito habitando, em  mim!

Descobri, livre da prisão, que estive presa

E nem sabia direito por quê! Por quê, mesmo??

Por nada…

E, abertas as portas da prisão que me manteve cativa

E na qual estive presa por nada;  desejei sair…

E lamentei não ser um pássaro, pois livre

Só desejei voar, mas que bobagem!

Ainda bem que não sou um pássaro,

Pois pássaro que vive em cativeiro quando livre,

Não sabe voar!

   Regina.

Belo Horizonte, 26 de maio de 2007

This post has already been read 206 times!

5a8d1917edd87072771346db5edb9538

5a8d1917edd87072771346db5edb9538

Regina Celi de Santana é educadora, com especialização na área de Educação infantil, com mais de 40 anos de experiência. Autodidata, mãe de três filhos e vovó orgulhosa de seus quatro netinhos: Gabriel, Kauã, Mateus e Joy!! Após se aposentar se tornou uma culinarista e é proprietária da "Cia Sabor e Arte", em Belo Horizonte, capital das Minas Gerais.

More Posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *